Cadastro Médico
 
Dr(a).  expandir >

 
 



Sono restauração do organismo

 Feed RSS de Artigos Feed RSS
 
Postado em 13/04/2009 às 10:00:00 por Carlos de Carvalho

Visitas: 1.549




Sono restauração do organismo

Por mais que as exigências da atualidade demandem, digamos, um dia com 30 horas, essa possibilidade diariamente acaba frustrada e, por conseqüência, invadimos o terreno do período em que deveríamos estar dormindo, muitas vezes, com trabalho e com a resolução de questões cotidianas, já que existem diversos serviços que funcionam 24 horas, e não raramente com atividades de lazer.

O fato é que, desde a invenção da luz elétrica, o ser humano vem deixando de dormir tudo o que deveria. Sobretudo nas metrópoles, com tantos estímulos a mais que a luz, há hoje uma tendência cada vez maior de essa privação aumentar. "Mas nosso organismo não mudou, o que significa que nossas necessidades fisiológicas continuam iguais", argumenta a neurologista responsável pelo Serviço de Polissonografia do Fleury e presidente da Sociedade Paulista de Medicina do Sono, Rosana Souza Cardoso Alves. Em bom português, precisamos, sim, de repouso, ainda que o mundo pareça dizer que estamos perdendo tempo.

A neurologista explica que sono e vigília caminham juntos e são determinados por nosso relógio biológico, o responsável, portanto, pela alternância entre acordar e dormir que se repete a cada 24 horas. Esse ritmo é sincronizado com o ciclo dia e noite, porém funciona de forma autônoma. Se uma pessoa viver por semanas dentro de uma caverna, sem ver o sol, continuará adormecendo e despertando com a mesma periodicidade.

Dessa forma, não sentimos sono só porque tivemos um dia cheio, mas porque soa um alarme interno que avisa que está na hora da manutenção. "O sono não é só um descanso, mas um momento de restauração do organismo, de balanço hormonal, de equilíbrio", assinala a especialista. Por isso é que, em longo prazo, esse déficit a que somos submetidos nos cobra juros e correção monetária.

Na prática, dormir menos que o necessário altera todos os órgãos do corpo e, com o tempo, produz mudanças de comportamento, irritação, depressão e déficit de memória, assim como algumas doenças, embora isso seja um tanto controverso. Na criança, a privação de sono produz hiperatividade e altera o ciclo do hormônio de crescimento, podendo atrapalhar seu pleno desenvolvimento, além de afetar o rendimento escolar .

FONTE: Fleury









 
 
 
 
Cadastro Médico ® Todos os Direitos Reservados - Mapa do Site - Publicidade - Feeds RSS - Política de Privacidade - Empório High-Tech