Cadastro Médico
 
Dr(a).  expandir >

 
 



Óleo de Coco Extra Virgem

 Feed RSS de Artigos Feed RSS
 
Postado em 13/11/2010 às 03:06:45 por Maria Elizabeth Ayoub

Visitas: 1.996

Óleo de Coco

Pesquisa avança e reconhece óleo indicado para consumo

 

 

Por Monica Coronel

Mais uma vez o óleo de coco extra virgem é usado em experimento com bons resultados.



Os cientistas brasileiros já podem comemorar. No Grupo do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) saímos na frente com o melhor desempenho nos avanços das pesquisas científicas. De acordo com os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), prevalece em todas as regiões do país o excesso de peso em homens e mulheres de todas as classes de rendimento. Nesse panorama, cerca de 40% dos indivíduos adultos apresentam excesso de peso, ou seja IMC igual ou maior do que 25kg/m2, sem diferenças substanciais entre ambos os sexos. Diante deste quadro, os estudos brasileiros podem estar apontando para uma ciência que responde a seguinte pergunta: existe uma forma mais saudável de ingerir gordura?  Por enquanto a resposta é sim.

Dentre as novidades, tem destaque os recentes estudos sobre a interferência benéfica do óleo de coco extra virgem no preparo dos alimentos usados nas dietas alimentares. Por não provocar o aumento de peso e auxiliar na redução da gordura, a nova/velha gordura já é apontada como alternativa saudável para o controle das medidas do corpo (antropométricas) e bioquímicas em indivíduos adultos.

A mais recente pesquisa sobre o tema realizada na Universidade Federal de Alagoas (UFAL), resultado de uma Dissertação de Mestrado (Alterações dos Fatores de Risco Cardiovasculares  Segundo o Consumo de Óleo de Coco),  resultou em artigo publicado na Revista Lipids, especializada em nutrição clínica e metabolismo, intitulado: Effects of Dietary Coconut Oil on the Biochemical and Anthropometric Profiles of Women Presenting Abdominal Obesity. A publicação revelou que o uso do óleo de coco extra virgem, extraído da espécie Cocos nucifera, é capaz de reduzir o Índice de Massa Corpórea (IMC), bem como a circunferência abdominal.

Os especialistas da UFAL, Monica Assunção, Haroldo Ferreira, Aldenir dos Santos, Cyro Cabral e Telma Florêncio, relatam que durante 12 semanas um grupo de 20 mulheres recebeu diariamente um suplemento alimentar de 30 ml de óleo de coco extra virgem, e as outras vinte mulheres receberam um suplemento alimentar de 30 ml de óleo de soja. Ambos os óleos de soja e de coco foram utilizados no preparo dos alimentos para a produção de uma dieta hipocalórica e equilibrada, acompanhada da inclusão de caminhada diária de 50 minutos e da atividade de alongamento.

- O elevado índice de ácido láurico, um ácido graxo de cadeia média (MCFA), e os compostos fenólicos do óleo de coco extra virgem, conduziram a um aumento do metabolismo dos indivíduos que participaram do experimento, proporcionando certa proteção contra problemas cardiovasculares e elevando o bom colesterol HDL, o que  contribuiu ainda para a redução das medidas corporais. Já o HDL das pessoas que consumiram o óleo de soja foi reduzido -, diz o Coordenador de estudo da UFAL, Dr. Haroldo Ferreira.

De acordo com os resultados da pesquisa da UFAL, os ácidos graxos (MCFAs) absorvidos no intestino são queimados como ‘combustível’ no fígado, enquanto as demais gorduras (saturadas, monoinsaturadas e poliinsaturadas) são quebradas e depois receptadas no fígado para produção de energia, porém com moléculas maiores e de difícil processamento, armazenadas em forma de gordura corporal. “Já os MCFAS não são armazenadas em níveis significativos de gordura corporal”, complementa o Dr. Haroldo Ferreira

Nutróloga Biomolecular aprova o uso do óleo de coco


Segundo a Médica Clinica, Maria Elizabeth Ayoub, especialista em nutrologia e terapia biomolecular e membro do Departamento de Assistência Multidisciplinar de Tratamentos Complementares da Sociedade Brasileira de Mastologia, a busca por uma gordura mais saudável se justifica pela constatação do uso abusivo de alimentos com alto teor de gordura animal, açúcar, alimentos refinados e,ainda, um baixo consumo de fibras e dos carboidratos idéias.

- É relevante a pesquisa da UFAL, mas também a da UFRJ, realizada em 2009, que aponta o uso do óleo de coco extra virgem como a primeira gordura com capacidade efetiva de elevar o bom colesterol – HDL, melhorar o sistema imunológico e auxiliar em tratamentos para a perda de peso -, informa a médica Elizabeth Ayoub.

A especialista em nutrologia explica que, por se tratar de um fruto natural, o óleo de coco extra virgem possui um baixo teor de acidez e de gordura saturada, similar a encontrada no leite humano.

- Cerca de 50% da gordura do coco é composta pelo ácido láurico, que ao ser ingerido se transforma no corpo humano em um monoglicerídeo de ação antibacteriana, antifúngica, antiviral e antiprotozoária. Como suas propriedades só atuam contra bactérias e microorganismos patogênicos, esse tipo de óleo não causa danos à flora intestinal-, complementa a médica.

O que é obesidade


A obesidade resulta de um desequilíbrio de energia que leva ao acumulo de gordura do organismo. Se o acumulo de gordura ocorre predominantemente no abdome, a condição é conhecida como obesidade visceral, um fator que está fortemente associada com aumento do risco de doença cardiovascular O tipo de gordura ingerida na dieta influencia a incidência da obesidade e desempenha também um papel significativo na etiologia de diversos distúrbios metabólicos.


Referencias bibliográficas e consultas

1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatı´stica (accessed June 2008). Pesquisa de orc¸amentos familiares: 2002–2003. Ana´lise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil. IBGE; Rio de Janeiro, 2004. http://www.ibge.gov.br/ home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2002analise/ pof2002analise.pdf

2. Peixoto MRG, Benicio MHA, Jardim PCBV (2007) The relationship between body mass index and lifestyle in a Brazilian adult population: a cross-sectional survey. Cad Saude Publica 23:2694–2740

3. Klein S, Allison DB, Heymsfield SB, Kelley DE, Leibel RL, Nonas C, Kahn R (2007) Waist circumference and cardiometabolic risk: a consensus statement from shaping America’s health: Association for weight management and obesity prevention; NAASO, The Obesity Society; the American Society for Nutrition; and the American Diabetes Association. Diabetes Care 30:1647–1652

4. Schaefer EJ (2002) Lipoproteins, nutrition, and heart disease. Am J Clin Nutr 75:191–212

5. Costa AG, Bressan J, Sabarense CM (2006) Trans fatty acids: foods and effects on health. Arch Latinoam Nutr 56:12–21

6. Li DF, Thaler RC, Nelssen JL, Harmon DL, Allee GL, Weeden TL (1990) Effect of fat sources and combinations on starter pig performance, nutrient digestibility and intestinal morphology. J Anim Sci 68:3694–3704

7. Enig MG (1999) Coconut: in support of good health in the 21st century. htm. Accessed July 2007

8. Lipoeto NI, Agus Z, Oenzil F, Wahlqvist M, Wattanapenpaiboon N (2004) Dietary intake and the risk of coronary heart disease among the coconut-consuming Minangkabau in West Sumatra, Indonesia. Asia Pac J Clin Nutr 13:377–384

9. Prior IA, Davidson F, Salmond CE, Czochanska Z (1981) Cholesterol, coconuts, and diet on Polynesian atolls: a natural experiment: the Pukapuka and Tokelau Island studies. Am J Clin Nutr 34:1552–1561

10. Amarasiri WA, Dissanayake AS (2006) Coconut fats. Ceylon Med J 51:47–51

11. Calbom C, Calbom J (2005) The coconut diet. Grand Central Publishing, New York

12. Lima FEL, Menezes TN, Tavares MP, Szarfarc SC, Fisberg RM (2000) A ´ cidos graxos e doenc¸as cardiovasculares: uma revisa˜o. Rev Nutr 13:73–80

13. Puska P (2002) Nutrition and global prevention on non-communicable diseases. Asia Pacific J Clin Nutr 11:S755–S758

14. World Health Organisation (1998) Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. WHO, Geneva

15. Zabotto CB, Viana RPT, Gil MF. Registro fotogra´fico para inqueritos diete´ticos: utensilios e porc¸o¨es (1996) Photographic record to dietetic inquiries: appliances and portions, UFG Goiani

16. FAO/WHO/UNU (1985) Energy and protein requirements. WHO—technical report series # 724. WHO, Geneva

17. Mathews DR, Hosker JP, Rudenski AS, Naylor BA, Treacher DF, Turner RC (1985) Homeostasis model assessment: insulin resistance and B-cell function from fasting plasma glucose and insulin concentrations in man. Diabetologia 28:412–419

18. Castelli WP (2006) Cholesterol and lipids in the risk of coronary artery disease—the Framingham heart study. Can J Cardiol 4:5A–10A

19. Geloneze B, Repetto EM, Geloneze SR, Tambascia MA, Ermetice MN (2006) The threshold value for insulin resistance (HOMA-IR) in an admixtured population: IR in the Brazilian metabolic syndrome study. Diabetes Res Clin Pract 72:219–220

20. Colleone VV (2002) Aplicac¸o˜es clı´nicas dos a´cidos graxos de cadeia me´dia. In: curi R, Pompe´ia C, Miyasaka CK, Procopio J (eds) Entendendo a Gordura: os A ´ cidos Graxos. Manole, Barueri

21. Gomes RV, Aoki MS (2003) A suplementac¸a˜o de triglicerı´deos de cadeia me´dia promove efeito ergogeˆnico sobre o desempenho no exercı´cio de endurance? Rev Bras Med Esporte 9:162–168

22. Tholstrup T, Ehnholm C, Jauhiainen M (2004) Effects of medium- chain fatty acids and oleic acid on blood lipids, lipoproteins, glucose, insulin, and lipid transfer protein activities. Am J Clin Nutr 79:564–569

23. Ferreira AMD, Barbosa PEB, Ceddia RB (2003) A influeˆncia da suplementac¸a˜o de triglicerı´deos de cadeia me´dia no desempenho em exercı´cios de ultra-resisteˆncia. Rev Bras Med Esporte 9:413– 419

24. Sundram K, Ismail A, Hayes KC, Jeyamalar R, Pathmanathan R (1997) Trans (elaidic) fatty acids adversely affect the lipoprotein profile relative to specific saturated fatty acids in humans. J Nutr 127:514–520

25. Honstra G (2000) Essential fatty acids in mothers and their neonates. Am J Clin Nutr 71:1262S–1269S

26. Ascherio A, Willett WC (1997) Health effects of trans fatty acids. Am J Clin Nutr 66:1006S–1010S

27. de Roos NM, Schouten EG, Katan MB (2001) Consumption of a solid fat rich in lauric acid results in a more favorable serum lipid profile in healthy men and women than consumption of a solid fat rich in trans-fatty acids. J Nutr 131:242–245

28. Kumar PD (1997) The role of coconut and coconut oil in coronary heart disease in Kerala, South India. Trop Doct 27:215–217

29. Oliveros LB, Videla AM, Gimenez MS (2004) Effect of dietary fat saturation on lipid metabolism, arachidonic acid turnover and peritoneal macrophage oxidative stress in mice. Braz J Med Biol Res 37:311–320 600 Lipids (2009) 44:593–601

30. Grundy SM, Denke MA (1990) Dietary influences on serum lipids and lipoproteins. J Lipid Res 31:1149–1172

31. Verlengia R, Lima TM (2002) Sı´ntese de a´cidos graxos. In: curi R, Pompe´ia C, Miyasaka CK, Procopio J (eds) Entendendo a Gordura: os A ´ cidos Graxos. Manole, Barueri

32. Nevin KG, Rajamohan T (2006) Virgin coconut oil supplemented diet increases the antioxidant status in rats. Food Chem 99:260– 266

33. Haber EP, Carpinelli AR, Carvalho CRO, cury R (2001) Secrec ¸a˜o de insulina: efeito auto´crino da insulina e modulac¸a˜o por a´cidos graxos. Arq Bras Endocrinol Metab 45:219–227

34. Garfinkel M, Lee S, Opara EC, Akwari OE (1992) Insulinotropic potency of lauric acid: a metabolic rationale for medium chain fatty acids (MCF) in TNP formulation. J Surg Res 52:328–333

35. Sepulveda JL, Metha JL (2005) C-Reactive protein and cardiovascular disease: a critical appraisal. curr Opin Cardiol 20:407– 416

36. Frankel S, Elwood P, Sweetnam P, Yarnell J, Smith GD (1996) Birth weight, body-mass index in middle age, and incident coronary heart disease. Lancet 348:1478–1480

37. Hudgins LC, Hellerstein M, Seidman C, Neese R, Diakun J, Hirsch J (1996) Human fatty acid synthesis is stimulated by a eucaloric low fat, high carbohydrate diet. J Clin Invest 97:2081– 2091

38. Mittendorfer B, Sidossis LS (2001) Mechanism for the increase in plasma triacylglycerol concentrations after consumption of shortterm, high-carbohydrate diets. Am J Clin Nutr 73:892–899

39. Parks EJ, Krauss RM, Christiansen MP, Neese RA, Hellerstein MK (1999) Effects of a low-fat, high-carbohydrate diet on VLDL-triglyceride assembly, production, and clearance. J Clin Invest 104:1087–1096

40. Fisberg RM, Slater B, Marchioni DML, Martini LA (2005) Inque´ritos alimentares: me´todos e bases cientı´ficas (nutritional surveys: methodology and scientific bases). Manole, Barueri Lipids (2009) 44:593–601 601 

 
 
 
 
Cadastro Médico ® Todos os Direitos Reservados - Mapa do Site - Publicidade - Feeds RSS - Política de Privacidade - Empório High-Tech