Dr(a).  expandir >

 
 



Você está em: Inicial >> Artigo >> 744 Vaginite Citolitica

VAGINITE CITOLÍTICA

 Feed RSS de Artigos Feed RSS
 
Postado em 19/07/2011 às 07:35:49 por Cintia Irene Parellada

Visitas: 16.596

VAGINITE ou VAGINOSE CITOLÍTICA

Dra Cíntia Irene Parellada

Doutorado em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP

E-mail: parellada@uol.com.br

1. O que é vaginite ou vaginose citolítica?

 É um corrimento vaginal de aparência branca e homogênea, semelhante ao da candidíase vaginal, sendo muitas vezes por esta confundida, pois podem dar sintomas como ardência, coceira (prurido) e até sintomas para urinar. Estudos mostram que 5 a 7% das mulheres diagnosticadas com candidíase possuem na verdade vaginite citolítica.  Costuma ter caráter cíclico e ocorre 1 a 2 semanas antes da menstruação.

 2. Quem causa a vaginite citolítica?

 É causada pelo excesso de bacilos de Doderlein

 3. O que são bacilos de Doderlein?

 São bactérias que fazem parte da flora normal da vagina. Os bacilos deDoderlein, de modo geral, protegem e equilibram a flora vaginal, são responsáveis por deixar o pH da vagina sempre ácido (pH baixo) o que evita a proliferação de outras bactérias patogênicas. Apesar de não deixar crescer estas bactérias patogênicas, o excesso de lactobacilos pode deixar o ambiente muito ácido e agredir as células da vagina ocasionando a destruição (lise) de células. Esta destruição das células pode ocasionar sintomas.

Saiba mais sobre o Bacilo de Döderlein:

As bactérias da flora vaginal foram descobertas pelo ginecologista alemão Albert Döderlein em 1892.

Estudos mostram que os bacilos de Döderlein previnem o crescimento de Candida, Gardnerella e Mobiluncus que causam comumente a candidíase vaginal e vaginose bacteriana. Também existe pesquisa que associa sua presença à proteção contra o HIV.

Como se diagnostica a vaginite citolítica?

Este diagnóstico é feito por exclusão, o médico precisa excluir outros causas do corrimento. É necessário fazer exames chamados bacterioscopia e cultura de secreção vaginal para confirmar que o corrimento não é causado por fungos como a cândida e outras bactérias patogênicas como gardnerella, mobiluncus e tricomonas.

Como se faz o tratamento?

 

Não tente se tratar sem antes ter o diagnóstico confirmado por seu médico, e isto é possível realizando exames complementares. O tratamento tem como objetivo a correção do pH. Como medida complementar ao tratamento, para alívio da sintomatologia local e melhorar o pH da vagina, pode-se realizar banhos de assento com bicarbonato de sódio na diluição de uma colher de sopa em 600 ml de água (5 a 10 minutos) duas vezes ao dia, durante 3 a 5 dias. Para evitar novos quadros, recomenda-se banho de assento duas vezes por semana a cada duas semanas.

 Referências:

 1.Cerikcioglu N B; Sinan MCytolytic vaginosis: misdiagnosed as candidal vaginitis.Infect Dis Obstet Gynecol. 2004; 12(1): 13–16.

 2. Suresh A, Rajesh A, Bhat RM, Rai Y. Cytolytic vaginosis: A review. Indian J Sex Transm Dis [serial online] 2009 [cited 2010 Oct 30];30:48-50. Available from: http://www.ijstd.org/text.asp?2009/30/1/48/55490

 3. Hillier SL. Normal vaginal flora. In: Holmes KK, Sparling PF, Mardh PA et al . (eds). Sexually transmitted diseases 3rd edition, Mc Graw hill: Newyork;1999. p. 191-205.

 
 
Cadastro Médico ® Todos os Direitos Reservados - Mapa do Site - Publicidade - Feeds RSS - Política de Privacidade - MelhorWeb Tecnologia