Cadastro Médico
 
Dr(a).  expandir >

 
 



As Incretinas: GLP-1 agonistas e Inibidores da DPP-4

 Feed RSS de Artigos Feed RSS
 
Postado em 12/03/2009 às 10:00:00 por Carlos de Carvalho

Visitas: 1.430

 

As Incretinas: GLP-1 agonistas e Inibidores da DPP-4



Em 1902, investigadores levantaram a primeira hipótese de que o intestino poderia dar um estímulo sinalizador ao pâncreas.

O termo Incretinas foi utilizado pela primeira vez em 1930 para descrever o efeito (reforço) de baixar a glicose quando um extrato de intestino foi utilizado para alimentar cães.

Nos anos 1960, pesquisadores descobriram que quase o dobro de insulina era liberada quando a glicose era infundida diretamente no intestino e não no sangue, como uma solução IV, renova interesse em uma pesquisa por compostos produzidos pelo intestino que poderiam reduzir níveis de glicemia.

A primeira incretina (ou incretin) liberada pelo FDA foi Byetta, que foi aprovada em maio de 2005. Ele está disponível pela prescrição para as pessoas com diabetes tipo 2 que não estão usando insulina.

O medicamento Byetta é um GLP-1 ou droga agonista que funciona como o GLP-1.

É um pouco incomum, pois é obtido a partir de um composto encontrado na saliva do monstro Gila, um grande lagarto nativo ao sudoeste dos estados Unidos

Quando alimento é ingerido, GLP-1 (glucagon-like peptide 1), é um das várias incretinas compostas que têm atividade biológica. Após a sua libertação para o sangue pelo intestino em resposta à ingestão alimentar, GLP-1 atua em diversos órgãos, incluindo o intestino onde se atrasa a absorção dos alimentos. Isto permite atrasar a absorção lenta a resposta insulínica encontrado no diabetes tipo 2. Melhora da produção de insulina é verificada no pâncreas.

O aumento na massa de células beta do pâncreas e o aumento na quantidade liberada de insulina foram observados em diabéticos tipo 2 que tomam Byetta.

1- Ao invés de ser glucagon-like ou raisining glicose, GLP-1 agonistas diminuem a excessiva liberação de glucagon visto nos de diabetes tipo 2 (e Tipo 1)

2- Investigadores esperam que isso poça retardar progressão da diabetes tipo 2 e este parece ser o caso. Até agora, o impacto do Byetta sobre a redução de glicemia, pressão arterial e redução de peso, além de um aumento de um sentimento de bem-estar têm sido largamente observados.

3- Os efeitos secundários como náuseas em doses mínimas podem exigir que a medicação ser interrompido ou que as doses sejam fracionadas e ministradas com uma seringa em vez de usar a dose padrão de 5 mg que é fornecida pelo aplicador (caneta) de Byetta. Há raros casos sérios de pancreatite e "muitíssimos raros" relatos de casos de pancreatite complicada evoluindo para morte em pacientes que fazem uso de Byetta, o FDA solicitou uma forte advertência em relação a esta possibilidade no rótulo. Os fabricantes de Byetta, Amylin e Lilly, afirmam que as complicações são proporcionais; isto é, "similar" às observadas entre o público em geral de casos ou pancreatites fatais.

Além do atraso na absorção dos alimentos, GLP-1 agonistas também estimulam produção de insulina e restabelecem a primeira fase secreção de insulina. O efeito global é o de diminuir a taxa de glicose após as refeições no sangue e melhorar o controle sem o risco de hipoglicemia.

A investigação demonstrou que os pacientes que usam Byetta comem cerca de 20% a menos e podem perder peso.

Dar GLP-1 natural parece ter pouco benefício porque é destruída por uma enzima chamada DPP-4 (dipeptidyl peptidose IV) em cerca de 5 minutos. Isso levou a uma procura de uma molécula de GLP-1 modificada como Byetta, produzida pela Amylin e Lilly, que não são destruídas de maneira tão rápida. Outras novas GLP-1 derivados encontram-se atualmente em ensaios clínicos. Estes incluem liraglutide pela Novo Nordisk e-CAD: GLP-1 da Conju Chem.

Os GLP-1 agonistas são associadas a uma nova classe de medicamentos para diabetes chamada Inibidores da DPP-4, que trabalham por atrasar a repartição das GLP-1, bem como outras incretins. Porque DPP-4 está envolvida em desativar as GLP-1 quebrando-as em diversos peptídeos.

Vai levar algum tempo para se ter certeza que não existem os efeitos colaterais a longo prazo como acontece em todas as medicações.

 



FONTES:Fehse, F., Trautmann, M., Holst, JJ, et al. (2005) Exenatide augments primeira e segunda fase de secreção de insulina em resposta à glicose intravenosa em indivíduos com diabetes tipo 2. J Clin Endocrinol Metab, 90, 5991-5997 / Kolterman, OG, Kim, DD, Shen, L., et al. (2005) Farmacocinética, farmacodinâmica e segurança de exenatide em pacientes com diabetes tipo 2 mellitus. Am J Health Sys Farmácia, 62, 173-181. / Klonoff DC, Buse, JB, Nielsen, LL, et al. (2008) Exenatide efeitos sobre diabetes, obesidade, fatores de risco cardiovascular e hepática biomarcadores em doentes com diabetes tipo 2 tratados durante pelo menos 3 anos. Curr Med Res Opin, 24, 275-286.
 
 
 
 
Cadastro Médico ® Todos os Direitos Reservados - Mapa do Site - Publicidade - Feeds RSS - Política de Privacidade - Empório High-Tech